segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Fevereiro

Fevereiro é fogo dentro de mim.
Arde, fervilhando ao Sol.
Encandescente, sedenta
Por favor, Água!
Fevereiro não vai passar sem brasa.

Não há Sol que queime mais
que minhas entranhas de deserto.
Mergulho fundo e não passa.
Baldes de gelo e não passa.
Não há Sol que queime mais que eu.

Fevereiro me arrasa.
Parecem blocos de concreto ao redor.
Alguma música toca ao fundo
Mas não adianta.
Não há frescor que alivie a ardência do meu coração.

Um comentário: