quarta-feira, 1 de junho de 2011

Por um instante

Tão bom, tão bom, tão bom...
que de tão bom me dói no peito...
como se fosse ruim.

Uma punhalada, sim.
E vou fugir pra distante de mim.

Tão bom, tão bom, tão bom...
que de tão bom estou caindo das nuvens...
como se fosse o fim.

Posso sentir a queda. Já não respiro. Mas tudo pulsa rápido e profundo.

Por um instante, posso sentir o mundo.

8 comentários:

  1. Na verdade eu não entendi muito bem qual o significado (acho que por isso, nunca gostei de poesias '-'). Mas adorei as rimas rsrs


    http://marysimplicio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. adoreei o blog e estou seguindo-o!

    qnd tiver um tempinho, de uma passadinha no meu?


    bjooos

    http://cabecafeminina.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. eu deveria visitar seu blog mais vezes, sabia?

    ResponderExcluir
  4. Coisas tão boas surgem na nossa vida, que muitas vezes temos medo de perdê-las. Também já senti (e ainda sinto) esse aperto no peito.
    Novamente um lindo texto, Luiza.
    Até a próxima!

    ResponderExcluir
  5. Pesado esse...foi o q senti qndo me coloquei no lugar de quem se jogou.

    Bjus

    Thiago Benaion

    ResponderExcluir
  6. Muito legal esse. Parabéns

    ResponderExcluir
  7. Adorei a poesia! Esse paradoxo que permite que você sinta o mundo. :)

    ResponderExcluir