quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Na voz de Manoel de Barros

Hoje abro espaço para dar voz ao poeta:


Manoel de Barros

.
O poema é antes de tudo um inutensílio.

Hora de iniciar algum
convém se vestir de roupa de trapo.
.
Há quem se jogue debaixo de carro
nos primeiros instantes.
.
Faz bem uma janela aberta.
Uma veia aberta.
.
Pra mim é uma coisa que serve de nada o poema
Enquanto vida houver.
.
Ninguém é pai de um poema sem morrer.

Um comentário:

  1. Amei essa poesia do Manuel Barros. Linda demais.

    Estou lhe seguindo...

    Beijos

    ResponderExcluir